Prego no pneu: o que fazer quando isso acontece?

Prego e pneu em detalhe | Prego no pneu: o que fazer quando isso acontece?

Ter um carro é como manter um relacionamento. Quanto mais o tempo passa, mais você conhece o seu veículo e mais precisa cuidar para que ele se mantenha em boas condições. O motorista que conhece o carro que tem consegue ouvir até aqueles barulhinhos sutis, que para um passageiro seriam imperceptíveis.

Algo comum de acontecer e que só quem está no volante percebe é o problema no pneu. Além daquele ruído que aumenta a frequência conforme o carro ganha velocidade, a direção fica estranha, começa a puxar para um dos lados ou o volante trepida. Esse relato é típico de prego no pneu.

Por falta de conhecimento, muitos motoristas acabam não dando a atenção necessária e, com isso, o problema pode ficar maior. Uma das primeiras coisas que passa na cabeça do condutor é que o pneu vai conseguir rodar mais um pouco, talvez aguardar até a próxima troca. O recomendado pelas fabricantes, no entanto, é que, assim que identificado o problema de prego no pneu, o motorista procure um centro automotivo. A Dinamicar, por exemplo, é referência no segmento de loja de pneus no Rio de Janeiro.

Prejuízos causados pelo prego no pneu

O pequeno furo no pneu, se não reparado imediatamente, pode provocar o seu esvaziamento. Rodar com ele por um período nessas condições pode danificar a estrutura. O problema na calibragem faz com que se formem barrigas nas laterais do pneu, a zona de flexão. O reparo em alguns locais não chega a custar mais do que R$ 30, mas postergar o conserto pode agravar a situação e até inutilizar o pneu.

Ao identificar o problema, dirija em baixa velocidade até um local de confiança. Uma prática muito comum em alguns centros automotivos é a técnica do macarrão. Assim que o prego é retirado do pneu, o borracheiro avalia o diâmetro da perfuração. Se for menor do que a haste, o conhecido macarrão, o profissional vai utilizar um equipamento para que seja feita a inserção da borracha no local do furo. A sobra é cortada com um estilete.

Vale lembrar que esta técnica é provisória, mas muitos acabam deixando o pneu nessas condições por mais tempo. O problema é que o furo pode provocar uma infiltração, que, por sua vez, pode romper a estrutura. Se isso não for identificado, o pneu pode estourar com o carro em movimento e provocar um acidente. O procedimento correto e adotado por lojas de pneus de confiança é o manchão.

Nesse tipo de reparo, o pneu é desmontado. A borracha é avaliada e o local danificado é raspado. No furo, é introduzido um material como o macarrão. Ele é cortado, para que ocupe apenas o espaço necessário e, depois disso, a estrutura é refeita. Com uma espécie de curativo, os lados externos e internos são vedados. Este recurso é indicado para furos de até 10 milímetros.

As fabricantes de pneus indicam a técnica do manchão combinado, que tem um formato como o de um prego. A haste é introduzida no furo no pneu, e o manchão fica do lado de fora. Para vedar corretamente também é feito o fechamento no interior. O manchão combinado só é eficaz para furos de até 6 milímetros.

Converse com os profissionais da Dinamicar!

Para soluções de problemas como prego no pneu, conte com a ajuda de quem está há anos no setor. A Dinamicar, loja de pneus no Rio de Janeiro, conta com profissionais qualificados e trabalha com as maiores marcas do mercado, como Pirelli, Michelin, GoodYear, Continental e Bridgestone. Na loja, os profissionais poderão indicar a melhor alternativa para restabelecer a qualidade do pneu e a dirigibilidade do seu veículo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *